Crítica Literária | A Sombra da Lua de Michael Connelly

janeiro 22, 2014

***CONTÉM SPOILERS***

Cada vez mais aprecio um bom policial. A minha mais recente leitura do género remete para o livro A Sombra da Lua de "um dos grandes mestres da ficção policial contemporânea", afirma o Los Angeles Times, Michael Connelly.
Confesso que nunca tinha ouvido falar deste autor mas é considerado um dos melhores autores na área da ficção policial e merece todo o crédito. Foi o primeiro livro que li deste autor mas quer-me parecer que vou ler mais. A Editorial Presença tem também publicado o livro Nos Meandros da Lei.
A Sombra da Lua, besteseller do New York Times, já vendeu milhares de exemplares por todo o mundo. 

SINOPSE: "Cassie Black é uma mulher com um passado obscuro e prestes a regressar a ele. Depois de dez meses em liberdade condicional, Cassie descobre algo que a faz desejar um novo começo, bem longe de tudo o que conhece. Mas, para isso, precisa de um último golpe, um golpe em grande que lhe assegure a quantia necessária para desaparecer e deixar a sua antiga vida para sempre. Só ninguém contava que o suposto assalto perfeito pudesse correr tão mal. Cassie vê-se subitamente em fuga, perseguida por alguém muito perigoso que adivinha todos os seus passos – e que se está a aproximar ameaçadoramente do seu segredo mais bem guardado, da única coisa que Cassie fará tudo para proteger."


O que mais me custa quando penso em ler um livro é, sem dúvida, começar. Sou daquelas pessoas que quer logo saber, em concreto, o enredo da história. Por essa razão, custa-me sempre o início de uma leitura. Mas também sou daquelas pessoas que, após ler 2 ou 3 páginas, fica de tal modo agarrada que, se pudesse, lia tudo de uma enfiada.
Atenção que isto não me acontece com todas os livros. Sou muito selectiva no que respeita às minhas leituras e, se ao fim de 2 ou 3 páginas, consigo ficar agarrada, igualmente consigo fechar o livro e nunca mais o abrir. Sim, eu sou tipo 8 ou 80!
Escusado será dizer que com este fiquei mais do que agarrada. Demorei a tirá-lo da prateleira mas assim que peguei nele, consegui lê-lo em 5 dias no máximo, em todos os bocadinhos que tinha. 
É um policial muito bem estruturado, narrado na 3ª pessoa, com um enredo simples e conciso. 
O livro começa com um flashback, uma cena que só percebemos mesmo no final do livro. Uma parte importante da história que também nos motiva a querer chegar ao fim.


A história em si é muito cativante e queremos sempre saber o que vem a seguir. Não terminou bem da forma que eu imaginava (à noite, punha-me sempre a imaginar a continuação e o desfecho da história). Na minha opinião, seria giro um final alternativo em que a filha quereria ir com a mãe, embora com 5 anos uma criança quer é estar com as pessoas que sempre conheceu como pais. Talvez não fosse o desfecho perfeito. Também não gostei que o Leo morresse sniff sniff mas pronto.
A história meio que fica em aberto. Gosto de finais abertos pois dá-nos margem para imaginar o que mais poderá vir a acontecer. Mas também confesso que não desgosto de finais fechados. Assim, não fico a pensar mais naquilo. 
Enfim, dramas de quem se envolve demasiado nos livros!


Para terminar, gostava de fazer referência a algo que eu desconhecia e que a maior parte das pessoas pode não acreditar mas eu até acredito um pouco. Este livro menciona algo chamado "luas vazias de curso". Pelo que entendi explicado no livro e pelas minhas pesquisas, é algo que efectivamente existe, é estudado e pode mesmo influenciar a vida das pessoas. Isto para quem acredita, claro está! Quem tiver interesse, pesquise melhor sobre isto para ficar mais esclarecido.

Podem comprar este livro no site da Editorial Presença por um PVP de 18,90€.
É, sem dúvida, um excelente livro para os amantes de policiais. 
Mais do que aprovado!

Ao lugar onde o deserto é oceano.

0 comentários

Obrigada pelo teu comentário! Quaisquer respostas serão dadas no próprio post.